Olá Visitante! É bom revê-lo!  

Se você já é cadastrado

faça o seu login

Usuário  
 
Senha  
 

Ainda não é Cadastrado?    
Esqueci minha senha     

Águas e Efluentes

       

Biodiesel

       

Contabilidade Ambiental

       

Desenvolvimento Sustentável

       

Ecologia

       

Educação Ambiental

       

Gestão

    

Licenciamento

       

Poluição

       

Resíduos Sólidos

       

Ajuda  
Anuncie aqui  
Blogs  
Busca Especial  
Calendário de Eventos  
Colunistas  
Diretório de Cursos  
Diretório de Empresas  
Diretório de Links  
Empregos  
Enquetes  
Pesquisas  
Promoções  

Voltar para o menu principal

 
Gestão Ambiental | Artigos Home Mapa do Site Contatos
 

Sistemas de Gestão Ambiental

 

 

 

Emanuel Edwan de Lima

elima@genius.org.br

A regulamentação ambiental, antes dos anos 60, era praticamente inexistente. A partir do final dos anos 60 e princípio dos anos 70, entre outras nações, os Estados Unidos começaram a exigir um contexto de regulamentações complexas do tipo "comando e controle" que hoje preenchem mais de 20.000 páginas do Federal Register, não incluindo as regulamentações em níveis estadual e municipal.

Nas empresas o foco inicial da gestão ambiental estava na conformidade às regulamentações. Essas regulamentações normalmente avaliavam o controle da poluição no final dos processos e procuravam somente o atendimento às regulamentações, que em muitos casos são complexas e sobrepostas, havendo exigências federais, estaduais e municipais, onde a organização tem que atender a todas, mesmo que em alguns casos elas sejam conflitantes entre si.
Assim, as empresas tendiam a focalizar as exigências de cada regra isoladamente e não dedicavam muito tempo, nem pensavam em integrar em um único sistema os procedimentos relativos à conformidade de cada regra ou lei.

O que ocorria normalmente era o atendimento às regulamentações no sentido de se evitar multas ou sanções, geralmente reagindo aos acontecimentos sem procurar preveni-los. Desta forma a gestão ambiental era praticada, e em muitos casos ainda é, de forma reativa, fragmentada e focalizada em apagar incêndios em vez de evitar a ocorrência de problemas. Por diversas razões, a gestão ambiental está agora evoluindo para uma abordagem mais sistemática. Entre as pressões para mudança que as empresas vêm sofrendo hoje em dia, pode-se destacar:

1. Custos crescentes da proteção ambiental;
2. Análises minuciosas por instituições financeiras e investidores;
3. Da regulamentação de meio único para múltiplos meios (busca abordagens preventivas invés daquelas focadas no final dos processos);
4. De "comando e controle" para incentivos de mercado;
5. Percepção da globalidade do meio ambiente;
6. Exigência pelo desenvolvimento sustentável.

Da resposta a estas pressões depende a sobrevivência das organizações no longo prazo. Além disso,  a gestão ambiental pode representar muitos benefícios para as organizações.
O desenvolvimento de tais sistemas, de maneira normatizada, deve-se, sobretudo, a uma resposta com relação às crescentes dúvidas sobre a proteção do meio ambiente, onde empresas no mundo todo estão desenvolvendo programas de gestão ambiental que se destinam a evitar problemas com infrações; melhorar as eficiências operacionais e obter vantagens competitivas.
Com este objetivo, normas e diretrizes de gestão ambiental surgiram e foram sendo atualizadas no decorrer dos últimos anos.

Sob a crescente pressão mundial, as indústrias do mundo inteiro foram buscar uma resposta que tanto pudesse ser útil aos negócios quanto contribuísse para a melhoria do desempenho ambiental. Assim, a certificação pelas normas de sistemas de gerenciamento ambiental viria a atestar a competência ambiental da organização, além de contribuir para a diminuição de riscos e acidentes e o cumprimento da legislação relacionada à atividade.

As normas ambientais buscam tratar da utilização de recursos naturais, sua transformação, registros e disposição final. As responsabilidades ultrapassam as fronteiras das fábricas e passam a cuidar do meio ambiente em torno da atividade produtiva.

Assim, com o objetivo de proporcionar condições para uma atividade produtiva ambientalmente saudável, foram criados inicialmente a BS 7750 e o Regulamento do Conselho das Comunidades Européias (CEE) No. 1836/93. que, posteriormente resultaram na norma ISO 14000.

De forma simplificada, a ISO série 14000 pode ser visualizada em dois grandes blocos. Um direcionado para a organização e outro para o processo. A série cobre seis áreas, tanto no nível do Sistema de Gestão Ambiental, ou seja, na Avaliação do Desempenho Ambiental e da Auditoria Ambiental da organização, quanto no nível da Rotulagem Ambiental, isto é, através da Análise do Ciclo de Vida e Aspectos Ambientais dos Produtos.

A finalidade básica da ISO 14001 é a de fornecer às organizações os requisitos de um sistema de gestão ambiental eficaz. A norma não estabelece "requisitos absolutos de desempenho ambiental". Pode ocorrer, semelhante à BS 7750, que duas organizações que desempenhem atividades similares e alcancem desempenhos ambientais diferentes podem estar ambas em conformidade com a ISO 14001.
Assim, o escopo da ISO 14001 será definido pela própria organização que decidirá o nível de detalhe e complexidade de seu sistema de gestão ambiental e a quais atividades, processos e produtos ele se aplica, procurando demonstrar o comprometimento da organização com o meio-ambiente.


 

 

 

 

 

Menu de Gestão Ambiental
Artigos
Teses e Monografias

 
Publicidade

 
Publicidade

Assine nossos Feeds.

Saiba como!

 
Avantta Consulting

 

  Sobre Universo Ambiental | Publicidade | Fale Conosco | Política Um Projeto Juliano Pozati | New Brand Experiences