Olá Visitante! É bom revê-lo!  

Se você já é cadastrado

faça o seu login

Usuário  
 
Senha  
 

Ainda não é Cadastrado?    
Esqueci minha senha     

Águas e Efluentes

       

Biodiesel

       

Contabilidade Ambiental

       

Desenvolvimento Sustentável

       

Ecologia

       

Educação Ambiental

       

Gestão

       

Licenciamento

       

Poluição

       

Resíduos Sólidos

    

Ajuda  
Anuncie aqui  
Blogs  
Busca Especial  
Calendário de Eventos  
Colunistas  
Diretório de Cursos  
Diretório de Empresas  
Diretório de Links  
Empregos  
Enquetes  
Pesquisas  
Promoções  

Voltar para o menu principal

 
Resíduos Sólidos | Artigos Home Mapa do Site Contatos
 

Resíduos Sólidos Industriais

 

 

São considerados resíduos sólidos industriais os resíduos em estado sólido e semi-sólidos que resultam da atividade industrial, incluindo-se os lodos provenientes das instalações de tratamento de águas residuárias, aqueles gerados em equipamentos de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgoto ou corpos d’água, ou exijam, para isto, soluções economicamente inviáveis, em face da melhor tecnologia disponível.

As decisões técnicas e econômicas tomadas em todas as fases do tratamento de resíduos sólidos industriais (manuseio, acondicionamento, armazenagem, coleta, transporte e disposição final) deverão estar fundamentadas na classificação dos mesmos.

Com base nesta classificação serão definidas as medidas especiais de proteção necessárias em todas as fases, bem como os custos envolvidos.

A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) editou um conjunto de normas para padronizar, a nível nacional, a classificação dos resíduos:

  • NBR 10004 – Classificação de Resíduos Sólidos;
  • NBR 10005 – Lixiviação de Resíduos (Procedimento)
  • NBR 10006 – Solubilização de Resíduos (Procedimento)
  • NBR 10007 – Amostragem de Resíduos (Procedimento)

  A norma NBR 10004 classificas os resíduos quanto aos seus riscos potenciais ao meio ambiente a à saúde pública, indicando quais resíduos devem ter manuseio e destinação mais rigidamente controlados.

Segundo essa norma, os resíduos são agrupados em 3 classes:

Resíduos Classe I – Perigosos

São classificados como resíduos perigosos os resíduos sólidos ou mistura de resíduos sólidos que em função de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade, podem apresentar risco à saúde pública, provocando ou contribuindo para um aumento de mortalidade ou incidência de doenças e/ou apresentar efeitos adversos ao meio ambiente, quando manuseados ou dispostos de forma inadequada.

Resíduos Classe II – Não Inertes

São classificados como resíduos não inertes os resíduos sólidos ou mistura de resíduos sólidos que não se enquadram na Classe I ou na Classe III.

Estes resíduos podem ter propriedades tais como combustibilidade, biodegradabilidade ou solubilidade em água.

Resíduos Classe III – Inertes

São classificados como Resíduos inertes inertes os resíduos sólidos ou mistura de resíduos sólidos que, submetidos ao teste de solubilização não tenham nenhum de seus constituintes solubilizados, em concentrações superiores aos padrões definidos na norma (NBR 10006).

Como exemplos desses materiais podem citar as rochas, tijolos vidros, etc.

Como ficou demonstrado, os resíduos são classificados em função de suas propriedades físicas, químicas ou infesto-contagiosas e com base na identificação de contaminantes presentes em sua massa.

Por isso, e também, pela forma com que as listagens são consultadas, um conhecimento prévio do processo industrial é imprescindível para a classificação do resíduo, identificação das substâncias presentes no mesmo e verificação da sua periculosidade.

Quando um resíduo tem origem desconhecida, o trabalho para classificá-lo torna-se ainda mais complexo.

Muitas vezes, mesmo para resíduos com origem conhecida, torna-se impossível conseguir uma resposta conclusiva e nesses casos, será necessário analisar parâmetros indiretos ou realizar bioensaios.

A amostragem de resíduos sólidos constitui uma operação de fundamental importância, pois os resultados de uma análise efetuada na amostra somente terão valor se aquela porção do resíduo tomada para a análise representar o mais fielmente possível  a composição e as propriedades do todo que ele representa.

Ao se programar uma campanha de amostragem deve-se ter sempre em mente que as propriedades das amostras  coletadas deverão corresponder às propriedades do todo, bem como que quanto maior for o número de amostras mais próximo do valor médio verdadeiro estará o valor médio obtido para os parâmetros em estudo.

Fonte: CETESB, Resíduos Sólidos Industriais


 

 

 

 

 

 
Publicidade

 
Publicidade

Assine nossos Feeds.

Saiba como!

 
Avantta Consulting

 

  Sobre Universo Ambiental | Publicidade | Fale Conosco | Política Um Projeto Juliano Pozati | New Brand Experiences